Monte St. Helens

× Esta página contém conteúdo arquivado e já não está a ser actualizada. Na altura da publicação, representava a melhor ciência disponível.
Mount St. Helens

4 de Outubro de 2004JPEG

Após mais de uma década de inactividade, Mt. Helens em Washington começou a roncar no final de Setembro com uma série de pequenos terramotos, alguns dos quais do tipo de longo período que os geólogos vieram a reconhecer como o sinal revelador de que o magma do interior da Terra está a subir até à superfície. A 1 de Outubro de 2004, o vulcão libertou uma pequena explosão de vapor e cinzas e acalmou brevemente, mas nos dias seguintes, a actividade sísmica recomeçou. Os cientistas elevaram o nível de alerta do vulcão para três, o passo final abaixo da erupção activa.

A 4 de Outubro, o dia em que esta imagem foi captada pelo Espectrómetro de Imagens de Resolução Moderada (MODIS) no satélite Terra da NASA, Mt. St. Helens voltou a emitir vapor e cinzas: durante um episódio de 30 minutos de manhã e durante um episódio de 10 minutos no início da tarde. De acordo com relatórios do U.S. Geological Survey, o vapor foi provavelmente produzido por rocha quente empurrada para cima do glaciar da montanha que derreteu o gelo e gerou vapor.

Mt. St. Helens está localizado à esquerda do centro desta imagem, e as cinzas e a pluma de vapor são visíveis à deriva do vulcão para sudeste, em direcção ao pico coberto de glaciares do Monte Adams. Outras grandes montanhas na cena são o Monte Rainer (topo) e o Monte Hood (fundo). O rio Columbia corta este-oeste através da parte inferior da imagem, e a cidade de Portland aparece como uma mancha cinzenta ao longo das suas margens na parte inferior esquerda.

Outros sinais de que uma erupção é provável num futuro próximo são um lago borbulhante (em ebulição) que se formou no respiradouro onde as cinzas e o vapor foram libertados a 4 de Outubro, um rápido regresso à actividade sísmica após os episódios de emissão, a contínua subida de parte do glaciar e do flanco sul da cúpula de lava, a abertura de fendas na cúpula de lava, e a detecção de dióxido de carbono e gases de sulfureto de hidrogénio em numerosos locais. Para mais informações sobre o estado actual do vulcão, visite o site do Observatório do Vulcão Cascades U.S.G.S. Cascades.

NASA image courtesy Jeff Schmaltz, MODIS Rapid Response Team, NASA-GSFC