João 1:5 A Luz brilha na escuridão, e a escuridão não a superou.

(5) E a Luz brilha nas trevas.–A visão do brilho está presente, mas por um momento, e passa diante da realidade negra da história da humanidade. A descrição do Paraíso ocupa apenas alguns versos do Antigo Testamento. A escuridão exterior lança a sua escuridão em cada página. Mas também no caos moral, Deus disse: “Que haja luz; e houve luz”. A primeira luta da luz para e através das trevas até que as trevas a receberam, rolaram de volta antes dela, passaram para ela – a compreensão repetida da luz pelas trevas, como na aurora de cada manhã a noite passa para o dia, e a terra agora envolta em escuridão é agora banhada pela clara luz branca de um sol oriental – esta tem a sua contraparte no mundo moral. Também ali, o Sol da Justiça brilhou, está sempre a brilhar; mas enquanto o Apóstolo olha para trás na história do mundo pré-cristão, ou, talvez, olha para trás no ministério terrestre do próprio Cristo, procura em vão a vitória da verdade, para os corações das nações, ou dos homens, penetrado através e através da luz do céu, e resume o todo numa triste negação, “As trevas não o compreenderam”. No entanto, nesta mesma tristeza, há uma fé firme e esperançosa. O presente enfático declara que a luz ainda, sempre, “resplandece nas trevas”. Verdadeiras são aquelas palavras de patriarca, legislador, profeta, ao seguirem a voz que chamou, ou recebeu a lei de Deus para os homens, ou disse a palavra que lhes veio d’Ele; verdadeiras são aquelas de todo o poeta, pensador, estadista, que compreendeu alguma verdade superior, ou perseguiu alguma dúvida à espreita, ou ensinou a uma nação actos nobres; verdadeiros são os de todo evangelista, mártir, filantropo, que levou a luz do evangelho ao coração dos homens, que testemunhou em vida ou morte a sua verdade, que mostrou o seu poder em obras de misericórdia e de amor; verdadeiros são os do cristão mais humilde que procura caminhar na luz, e da enfermidade do lar mais humilde pode estar a deixar brilhar uma luz diante dos homens que os leva a glorificar o Pai que está nos céus. A Luz está sempre a brilhar, muitas vezes, de facto, colorida à medida que passa pelas diferentes mentes de homens diferentes, e nos encontra através do espaço que separa continentes, e o tempo que separa idades, em matizes muito variados; mas estas sombras passam umas para as outras, e na harmonia de todos está a luz pura da verdade.

Compreendeu-a não.–O significado desta palavra difere do que se traduziu em João 1:10 por “não conhecer”. O pensamento aqui é que as trevas não se agarraram, não se apropriaram da luz, para ela própria se tornar luz; o pensamento ali é que os indivíduos não a reconheceram. Comp. Notas sobre Romanos 9:30; 1Coríntios 9:24; Filipenses 3:12-13, onde ocorre a mesma palavra grega. Ver também Efésios 3:18, que é a única passagem do Novo Testamento, para além do presente, onde a palavra é proferida por “compreender”

Versículo 5 –
(3) O antagonismo entre a luz e as trevas. A mais alta manifestação e prova da seguinte afirmação será encontrada naquela grande entrada do Eterno Logos na vida humana que derramará o mais completo raio de luz divina sobre os homens; mas antes desse grande acontecimento, durante a sua ocorrência, e desde então, ou seja, em todos os tempos e nações, a luz brilha nas trevas. Muitos expositores, como Godet, após longas hesitações e ponderação, resolvem esta expressão num epítome distinto do efeito da Encarnação, a mais elevada manifestação da luz na vida teantropica, e hesitam em ver qualquer referência ao brilho da luz sobre as trevas da humanidade ou do mundo pagão. Fazem-no com base no facto de não haver qualquer confirmação ou ilustração desta ideia no Evangelho de João. Contudo, que sejam considerados os seguintes paralelismos e exposições deste pensamento. Nosso Senhor discrimina entre aqueles que “odeiam a luz” e “aqueles que fazem a verdade e vêm à luz” (João 3,21). Ele deleita-se com aqueles que o Pai lhe deu, e que vêm a ele (João 6,37). Ele fala de “outras ovelhas que não são deste aprisco, que ouvem a sua voz” (João 10,16). Ele diz a Pilatos que “todo aquele que é da verdade ouve a minha voz” (João 18,37). Em alocução solitária ao Pai (João 17,6), ele diz: “Tuas eram, e tu me deste a mim”. Em todas estas passagens é dada abundante indicação de um tratamento directo das almas antecedente, ou melhor, independentemente da graça especial da manifestação terrena de Cristo. Esta passagem, até agora, no amplo abraço do seu significado, afirma que a luz aqui tomada como efluente da própria vida, perpétua, para sempre, brilha (φαίνει, não; φωτίζει) – derrama a sua irradiação pela sua própria necessidade essencial na “escuridão”. “escuridão” e “luz” são metáforas de condições morais. Embora exista uma “luz dos homens” que é o resultado do encontro da capacidade do homem com a revelação Divina, no entanto, na sua maioria, existe um terrível antagonismo, um temível negativo, uma verdadeira oposição à luz, uma cegueira do olho da alma ao feixe mais claro de sabedoria celestial, justiça e verdade. A luz tem uma batalha a travar, tanto com as circunstâncias como com as faculdades dos homens. A luz antiga que se rompeu durante a infância da humanidade, os feixes mais brilhantes que caíram sobre as consciências irradiadas e educadas por mil ministérios, a luz que se concentrava no Logos encarnado e difundida em toda a “entrada do Verbo Divino” no coração dos homens, têm toda e sempre esta contingência solene a encontrar – “A luz brilha na escuridão”. E a escuridão não a apreendeu. Esta palavra traduzida “apreendido” (κατέλαβε) tem, em grego do Novo Testamento, sem dúvida o sentido de “prender com má intenção”, “ultrapassar” (João 12:35; 1 Tessalonicenses 5:4; Marcos 9:18), “suprimir” (Lunge), “superar” (Westcott e Moulton); e um belo sentido surgiria desta passagem se significasse que, enquanto a luz brilhava para as trevas, não a espalhava, mas, por outro lado, nem as trevas suprimiam ou absorviam e neutralizavam a luz. Certamente que a escuridão foi desastrosa, trágica, prolongada, mas não triunfante, mesmo nos momentos mais sombrios do período pré-Incarnação, mesmo na hora mais escura e local de perseguição selvagem, mesmo no tempo de ultraje, impenetrabilidade supersticiosa, ou colapso moral. Há, no entanto, duas classes de dificuldades nesta interpretação.

(1) Καταλαμβάνω está em LXX. utilizado para תִִשיב, לָכַר, e מָצָא, e em muitos lugares do Novo Testamento tem o seu sentido clássico vulgar, “agarrar”, “apreender”, “compreender”, “compreender”, “vir a conhecer”, intelligo, e cognosco (Efésios 3:18), embora neste último sentido seja sobretudo utilizado na voz do meio.
(2) Quando o apóstolo, em maior detalhe e referência mais imediata às ilustrações individuais que dá da relação da escuridão com a luz, diz em versículos. 10, 11, Ὁ κόσμος αὐτὸν οὐκ ἔγνω, e Οἱ ἴδιοι αὐτὸν οὐ παρέλαβον; embora sejam utilizadas palavras ligeiramente diferentes, o retorno do pensamento nestas frases paralelas é demasiado óbvio para ser negligenciado. A não-susceptibilidade da escuridão, a resistência positiva que faz à acção da luz, encontra a sua mais forte ilustração nas regiões mais definidas e na esfera mais estreita da vinda do Logos ao mundo, e na sua missão especial ao seu próprio povo. Nesta perspectiva, Alford, Bengel, Schaff, Godet, Luthardt, Tholuck, Meyer, Ewald, coincidem, embora a sugestão de Origen e Chrysostom, e em anos posteriores de Schulthess, Westcott, etc., tenha sido fortemente instada. O facto amplo e geral é declarado, sem excluir as excepções sobre as quais o próprio evangelista se alarga posteriormente. Se a escuridão tivesse “apreendido” a luz, já não seria escuridão. O facto melancólico é que a corrupção no mundo tem sido, na sua maioria, impermeável à luz tanto da natureza, como da vida, da consciência e até mesmo da revelação. Daí, diz Bengel, “a ocasião para a Encarnação”. Isto é exagero, porque todo o registo do Verbo encarnado é uma história contínua da resistência das trevas à luz.
Comentários paralelos …
div>Lexicon The
τὸ (to)
Artigo – Nominativo Neutro Singular
Strong’s Greek 3588: The, the, the definite article. Incluindo o feminino he, e o neutro a em todas as suas inflexões; o artigo definido; o.
Light
φῶς (phōs)
Noun – Nominative Neuter Singular
Strong’s Greek 5457: Light, a source of light, radiance. De um fao obsoleto; luminosidade.
brilho
φαίνει (phainei)
Verb – Activo Indicativo Presente – Singular de 3ª Pessoa
Grego de Strong 5316: Prolongamento para a base do fosfato; para clarear, isto é, mostrar.
br>in
ἐν (pt)
Preposição
Strong’s Greek 1722: In, on, among. Uma preposição primária denotando posição, e instrumentalidade, isto é, uma relação de repouso; ‘in, ‘ at, on, by, etc.
br>the
τῇ (tē)
Artigo – Dative Feminine Singular
Strong’s Greek 3588: The, the, the definite article. Incluindo o feminino he, e o neutro a em todas as suas inflexões; o artigo definido; o.
escuridão,
σκοτίᾳ (skotia)
Noun – Dative Feminine Singular
Strong’s Greek 4653: Darkness; fig: escuridão espiritual. De skotos; escuridão, obscuridade.
e
καὶ (kai)
Conjunção
Strong’s Greek 2532: E, mesmo, também, nomeadamente
br>br>ἡ (hē)
Artigo – Singular Feminino Nominativo
Grego de Strong 3588: O, o artigo definitivo. Incluindo o feminino he, e o neutro a em todas as suas inflexões; o artigo definitivo; o.
escuridão
σκοτία (skotia)
Nome – Nominativo Feminino Singular
Strong’s Greek 4653: Escuridão; figo: escuridão espiritual. De skotos; escuridão, obscuridade.
{has} not
οὐ (ou)
Adverb
Strong’s Greek 3756: Não, não. Também ouk, e ouch uma palavra primária; o advérbio negativo absoluto; não ou não.
overcome
κατέλαβεν (katelaben)
Verb – Aorist Indicative Active – 3rd Person Singular
Strong’s Greek 2638: From kata and lambano; to take eagerly, i.e. Apreender, possuir, etc.
it.
αὐτὸ (auto)
Pessoal / Possessivo Pronoun – Acusativo Neutro de 3ª Pessoa Singular
Strong’s Greek 846: Ele, ela, eles, eles, eles, eles mesmos. Da partícula au; o pronome reflexivo self, usado da terceira pessoa, e das outras pessoas.
div>Jump to PreviousAparece Apprehended Comprehended Comprehended Dark Darkness Goes Hasn’t Light Overcome Overpowered Perceive Shineeth Shineeth Shining Understood

Jump to Next

Aparece Aparentemente Compreendido Compreendido Compreendido Escuridão Escura Não Ultrapassou a Luz Percebido Brilho Brilhante Compreendido

Links

John 1:5 NIV
John 1:5 NLT
John 1:5 ESV
John 1:5 NASB
John 1:5 KJV
John 1:5 BibleApps.com
John 1:5 Biblia Paralela
John 1:5 Chinese Bible
John 1:5 French Bible
John 1:5 Clyx Quotations
NT Gospels: João 1:5 A luz resplandece na escuridão (Jhn Jo Jn)