13 técnicas simples de jornalismo para entrevistas eficazes

LIKE QUALQUER profissão criativa, o jornalismo de viagens obriga-o a usar a sua percepção para reinterpretar o mundo à sua volta. Tenta-se envolver uma audiência com ideias e questões – cria-se algo significativo a partir de toda a informação incoerente e barulho lá fora.

O produto acabado pode ser uma peça de escrita que você elabora, mas o material é o resultado das entrevistas que realiza.

Mas aqui está o senão: O bom jornalismo depende da total cooperação e participação de um estranho. No centro deste número está a entrevista. O produto acabado pode ser uma peça de escrita que você elabora, mas o material é o resultado das entrevistas que conduz.

E enquanto as fontes variam – algumas pessoas sabem exactamente o que querem dizer enquanto outras adoram fazer suar por uma citação básica – como conduz a entrevista tem mais a ver com o resultado do que qualquer outra coisa.

É estranho que se dê tanta ênfase ao ensino de jornalistas como escrever um artigo quando essa habilidade é inútil sem também ensinar jornalistas como desenvolver técnicas de entrevista fortes.

Num esforço para ajudar outros aspirantes a repórteres a desenvolver esta habilidade crucial, reuni alguns dos meus colegas e amigos jornalistas para lhes perguntar que dicas de entrevista consideram mais úteis.

1. Encontre uma boa localização.

Evite o Starbucks! É muitas vezes mais fácil sugerir uma loja de café corporativo com localização central, mas se houver alguma forma de entrevistar num local que tenha alguma relevância para a história ou para o seu tema, terá muito mais sucesso. Não só porque ganhará um maior sentido de contexto, mas as pessoas ficam muitas vezes mais confortáveis (e abertas) quando estão num lugar familiar ou no que se sente como “o seu território”.

Ask para se encontrar na casa do seu sujeito, no trabalho, ou no local de um incidente relevante para a história. Mesmo um encontro no restaurante favorito do entrevistado é mais interessante do que um Starbucks.

2. Prepare os seus objectivos com antecedência.

Saber que perguntas vai fazer e porque as vai fazer. Dirigir-se a uma entrevista com um sentido do que se pretende obter dela (uma reencenação colorida de um evento, uma opinião sobre o assunto que está a cobrir, antecedentes gerais, etc.) é fundamental para conduzir uma entrevista bem sucedida.

Já deve estar a pensar em como quer que a sua peça se pareça e no que precisa desta entrevista para conseguir que o seu artigo se aproxime do resultado final.

3. Escreva as suas perguntas.

Tenha a certeza e traga consigo perguntas preparadas. Normalmente vou a uma entrevista com o dobro do número de perguntas que espero fazer. A segurança de saber que não vou ficar preso ajuda a minha confiança, e nunca se sabe qual a pergunta que lhe vai dar a informação que realmente procura.

4. Trabalhe no seu fluxo.

Esta é provavelmente a habilidade de entrevista mais desafiante mas também a mais importante que pode desenvolver. Quer encontrar um equilíbrio entre uma conversa (o que ajuda a fazer com que o seu assunto se sinta confortável e ajuda à candura) e a realização do trabalho. À medida que o seu assunto responde à sua pergunta, pense no que vai perguntar a seguir e porquê.

O fluxo de perguntas precisa de parecer natural e conversacional – não gire o seu assunto sobre um tópico completamente diferente só porque essa é a próxima pergunta da sua lista. Pense em seguimentos e transições. Desta forma, o seu assunto não se sente forçado a dar-lhe aperitivos e pode abrir-se um pouco (particularmente importante para quem trabalha numa peça de áudio onde pode precisar de blocos da entrevista em bruto).

5. Pense no meio.

As técnicas de entrevista variam definitivamente para diferentes meios. Se estiver a entrevistar para áudio ou vídeo, quer fazer perguntas em duas partes, o que encoraja os sujeitos a falar durante longos blocos de tempo.

Conversamente, quando estiver a entrevistar para impressão, tente quebrar as perguntas para que possa obter respostas mais curtas e concisas (mais fácil para tomar notas e para citar mais tarde). Pode ser mais conversativo com entrevistas para impressão – pode dizer “sim,” e “uh-huh,” etc. Não fazer isto é um dos maiores desafios quando se está a entrevistar para áudio. O rabisco e o sorriso conseguem o mesmo tipo de encorajamento de conversação e mantêm a sua fita adesiva limpa.

Outro grande truque para entrevistas em áudio é ter o seu sujeito a reencenar a história. Faz um bom som e ajuda-o a evitar ter demasiado da sua própria narração mais tarde.

6. Traga um amigo.

Acho que ter uma segunda pessoa como anotador e um conjunto extra de ouvidos pode ser muito útil. Se achar que outra pessoa não vai sobrecarregar ou distrair o seu assunto (acho isso bastante raro), pode ser um salva-vidas ter esse segundo conjunto de notas para verificar as suas citações e informações.

7. Evite obcecar-se.

Embora boas notas e gravações sejam muito importantes, pode prestar um mau serviço a si próprio ao obcecar-se em gravar cada pequeno detalhe do que o seu assunto diz. Ao entrevistar, deverá ser capaz de discernir as jóias do tagarelice – concentre-se nas citações e informações que sabe que vai usar e certifique-se de que acerta!

8. Seja um pouco irritante.

Não tenha medo de revisitar incansavelmente uma pergunta ou tópico que sinta que não tenha sido devidamente abordado pelo entrevistado. Por vezes as pessoas precisam de tempo para se aquecerem a si ou a um tópico, ou responderão melhor se a sua pergunta for formulada de forma diferente. Continue a tentar.

9. Seja um pouco sorrateiro.

Continue a tomar notas mesmo depois de a entrevista ter terminado oficialmente. Por vezes as pessoas dizem as coisas mais reveladoras ou íntimas quando sentem que estão fora do “lugar quente”. Se não disserem “fora do registo”, é tudo jogo.

10. Dê poder ao seu sujeito.

Uma grande pergunta a fazer se não compreender totalmente a perspectiva do seu entrevistado é: “Qual é a sua solução/resolução ideal”? Obviamente que isto só funciona em determinadas circunstâncias, mas quando apropriado pode ajudar a esclarecer o ponto de vista ou opinião de uma pessoa.

11. Trabalha-os.

Outra grande questão é: “Porque se preocupa com esta questão?”. Esta pode ser uma forma eficaz de obter uma citação forte e emocional sobre a razão pela qual o tema que está a cobrir é tão importante.

P>Pode também pedir o ponto de viragem numa história, o momento em que tudo mudou ou catalisou. Isto pode ajudá-lo a moldar também a narrativa da sua história.

12. Endurecer silêncios incómodos.

Eu sei que isto é totalmente contra-intuitivo. O meu instinto é continuar a tagarelar e a fazer perguntas para manter as pessoas confortáveis, mas por vezes, especialmente quando se trata de assuntos sensíveis, é preciso calar-se e esperar.

P>Passe a sua pergunta, deixe-os dar-lhe a resposta ensaiada e genérica, e depois sente-se aí calmamente e veja o que vem a seguir. Ficaria surpreendido com a frequência com que esta técnica produz resultados poderosos.

13. Pergunte pelo que precisa.

sério, por vezes os entrevistados são frustrantes, não porque estejam a tentar dar cabo de si, mas porque simplesmente não compreendem o que você quer deles. Descobri que muitos sujeitos entrevistados se divertem por te “puxar um pouco a cortina” e contar-lhes o teu processo.

P>Pode dizer: “Ouça, preciso mesmo que me leve a um local que seja relevante para esta questão, para que eu possa montar uma cena”.

Para a maioria das pessoas querem ser úteis, e basta dizer-lhes como o podem ser.